Quando entrei na antiga fábrica de chocolate da Bhering no Santo Cristo, planejando a construção de um ateliê, as minhas companhias eram as pombas, poeira e uma montanha-caos de móveis, líquidos misteriosos em garrafa, fotografias de terreno em Goiás, mapas-mundi, cadeiras de médico, mesas de refeitório, molde de ovo de páscoa. O quinto andar da fábrica, esvaziado, abandonado era (ainda é) muito usado pela admistração do prédio como setting de cinema (Carandiru, Olga e O Incrível Hulk II no currículo): os espaços são gigantescos e têm muitos sinais do passado ativo da fábrica. Quem precisa de um lugar de filmagem no Rio onde a detonação da propriedade e o abandono são as principais características, correm direto para a Bhering.

Mas desde 2010, o quinto andar começou a ser ocupado pelos artistas. Todos os ateliês têm algo em comum: paredes, espaço amplo, um mínimo conforto. Só um ateliê é diferente, o da artista Maíra das Neves. Dele brota um líquido azul que fica na pele por meses, é um horror, te faz lembrar do ateliê dela sempre! Se for lá, não encoste nessa fonte que ela vai te tatuar… Nem dá para imaginar que o UM METRO QUADRADO é fonte dessa tinta que fica na pele por tanto tempo. Não sei se ela escolheu esse UM METRO QUADRADO por causa disso, mas até contrato com o Sr. Luiz Felipe, o administrador da fábrica, ela fez. Assinou e tudo.

Maíra é a “outra paulista” para quem me apresentaram nos meus primeiros meses no Rio. A primeira vez que a vi falando no CAPACETE já me mostrou muito das melhores coisas sobre ela, são coisas que me dão inspiração e medo: 1) Maíra é otimista de assustar, tudo é celebrado e alegre com ela, 2) Maíra gosta de viver em lugares diferentes; ela foi de São Paulo pra Goiás pra Minas e agora está no Rio sem amarras; ela faz uma mistura de todas essas cidades que dá num sotaque que é a única ponte entre a Mooca e Goiânia que eu conheço… 3) Maíra tem uma coragem rara 4) As coisas/ ações que ela propõe passam por suas experiências de vida, o que faz dela muito franca e aberta para o que mundo vai responder sobre isso.

Esse é um texto para ajudá-la no projeto 1m2, o ateliê de UM METRO QUADRADO que ela quer mobiliar, equipar, enfim, trazer mais vida pro espacinho. Nesse site http://multidao.art.br/pt/projects/110-1m2-expandido qualquer um doa o quanto quiser, se identificando ou não, ganhando recompensa ou não e vai ajudar a artista a continuar a proposta.

Vivian Caccuri, maio/2011